sexta-feira, 6 de agosto de 2010


Veredas Siderais

Voltamos sempre ao início para ver os mesmos sonhos, voltamos para deixar a marca dos nossos pés em terras exploradas pelas sombras. Pelo receio de um dia não vermos a sombra pisada dos nossos passos: somos o medo e a vergonha, somos o cântico contido nas almas que não sabemos ser, a coragem da morte que enfrenta a vida, numa luta que acabamos, cedo ou tarde, por ganhar perdendo. Por isso, os homens inventaram os deuses e os lugares comuns e nunca há palavras bastantes para tudo o que se crê ou se cala.

Anda, como se fosses anjo, dá fulgor às asas e habita comigo o céu de todos os sentidos, anda, dá-me a tua mão cheia de palavras e vamos passear entre as nuvens, que o limbo esperará eternamente por nós. Enlaça bem a tua mão na minha, segura-te que agora vamos subir - olha como a África é pequena, junto àquela pequenina Europa, e as duas deusas juntas, vistas de cá do alto, pouco maiores são. Volta a crer com um "quê" de querer e vem, vamos vaguear pelo universo, visitar as galáxias que se obnubilam por detrás do nosso (in)consciente colectivo. Senta-te placidamente e pensa comigo: como são breves estes momentos em que nos damos, em comunhão com as estrelas.

Anda, vamos a outra galáxia agora, que, de tão distraído que ando, já me aborrecem os velhos mundos que vou descobrindo. O que mais me agrada nas veredas que ainda não percorri é a inesperada companhia de quem nunca encontrei, porque a sua imagem está sempre a meu lado. Ainda bem que te encontrei numa dessas viagens que nunca fiz e tu foste a boa companheira, a que trazia consigo as palavras certas para todos os erros do caminho. Por isso caminhámos, decididamente juntos, com os outros que caminhavam connosco, em direção ao mesmo fim. Dá-me a mão que me deste ou a que me deres, porque nela se escondem todos os segredos que queremos partilhar durante a jornada. No fundo de nós ainda nos restam muitas mãos abertas para dar de afecto.

Um dia destes, crentes na ressurreição de todas as vidas bem vividas, erraremos certos do fim pelas estradas que nos levarão para lá da miragem de Santiago. Seremos romeiros siderais com os olhos postos na via láctea, directos à luz que nos amamenta a ilusão de acreditar ainda mais além. E sempre que o caminho se mostre recto e virmos ao fundo o nosso destino cortado pelo horizonte, veremos para a vida um fim aparente, sem vermos um fim real, esfregaremos os olhos e nunca saberemos se o momento último se esconde por detrás do monte ou do nosso medo de caminhar.

Seguiremos a viajar e seremos sempre retorno; e nunca saberemos quando nos vamos perder ou reencontrar nas cruzes que o mapa não assinala. Sigo a teu lado e tu a meu lado, e nunca sei aonde vais, ou mesmo se existes, mas sinto a tua mão dada por todos caminhos que a sonhar traçamos. Para não me perder dos teus passos, transporto na minha sacola, lá bem no fundo, um mapa à escala planetária, onde o nosso mundo é visto do topo do universo com olhos de buraco negro fotogramétrico. Um mapa, enfeitado de montes e vales de solidão e de silêncios (entrecortados por rios e mares de abraços e palavras urgentes), cuja geografia muda com os passos do trajecto, que vamos desenhando inacabado do início ao fim do mundo.


Joshua M.

1 comentário:

A Arte Dos Livres Pensadores disse...

Joshua,
... desvende todas as veredas siderais...para que elas naveguem nas inspirações poéticas da sua alma...sempre e sempre...mundo em mundo...no tempo...do tempo...

Beijos de quem te ama!